Protótipo do barco movido por energia solar
Primeira versão do barco movido a energia solar

O interesse do Pólo Náutico em desenvolver um barco movido por energia solar iniciou-se no segundo semestre de 2006 baseado no sucesso do primeiro Frisian Solar Challenge, na Holanda, ocorrido em junho daquele ano. Na época, alguns colaboradores ligados ao Pólo Náutico tiveram a iniciativa de desenvolver um barco movido por energia solar para participar de uma outra competição que ocorre nos Estados Unidos todos os anos ímpares, o Solar Splash.

O sucesso da competição na Holanda mostrou que os desafios tecnológicos desse tipo de competição eram mais significativos do que o evento realizado da EUA. Por este motivo, resolvemos investir na idéia de termos uma embarcação otimizada para a competição Européia ao invés da Americana.

Em 1º março de 2007 recebemos o primeiro comunicado da organização do Frisian Solar Challenge que a partir daquela data nos forneceu todas as informações necessárias para participarmos do evento.

Em outubro de 2007 demos inicio ao protótipo da primeira versão do projeto da embarcação (ver imagens). Em dezembro de mesmo ano iniciou-se a construção do protótipo e foi finalizada em maio de 2008. O protótipo foi batizado de Copacabana.

Entre os dias 21 e 28 de junho de 2008, uma equipe interdisciplinar do Pólo Náutico da UFRJ participou da Frisian Solar Challenge, competição de barcos solares que acontece, a cada dois anos, na região de Frísia, no norte da Holanda.

A opção do time brasileiro, coordenado pelo Prof. Fernando Amorim, foi por uma embarcação estável, com um bom casco, capaz de resistir aos seis dias de prova.

O barco, batizado de Copacabana – projetado e construído no Pólo Náutico, por alunos e profissionais da Engenharia Naval, Engenharia Elétrica, Engenharia Eletrônica e Desenho Industrial – demonstrou ser um forte concorrente terminando a competição na quarta colocação da classe A (a mais competitiva, com 26 barcos selecionados) e em sétimo lugar na classificação geral, entre 49 participantes.

equipe brasileira recebeu um prêmio de incentivo e o apoio dos anfitriões holandeses para a realização de um evento semelhante no Rio de Janeiro. O time voltou para o Brasil entusiasmado com a idéia e determinado a repetir o desafio aqui, organizando a primeira competição brasileira de barcos solares.

O projeto Copacabana contou com o apoio de diversos laboratórios da UFRJ: o Laboratório de Mecânica da Turbulência (Mecturb – Departamento de Engenharia Mecânica) , Laboratório de Fontes Alternativas de Energia – Lafae – Departamento de Engenharia Elétrica), Laboratório do Programa de Planejamento Energético – PPE – Coppe e o Pólo Náutico.