Hoje, 08/05, se deu o 1º dia de provas do DSB. Um dia que começou cinza, mas não decepcionou: o sol se fez bastante presente, favorecendo as baterias dos barcos e a competitividade das provas, algo que havia ficado um pouco a desejar na edição 2009 do Desafio, com todos os dias nublados.

Ocorreram duas provas: uma pela manhã, na qual o Copacabana, único monocasco da competição, cruzou a linha de chegada em apenas 58 minutos! O barco VDC1 da equipe Água Viva tecnicamente largou pois cruzou a bóia de largada, mas não chegou a competir pois o suporte do motor quebrou e prontamente a embarcação voltou a rampa para subir em terra e ser feita nova peça. A peça foi confeccionada enquanto ocorria a primeira prova, a equipe lutando contra o tempo para o novo suporte do motor ser finalizado e instalado antes da largada da segunda prova.  Albatroz não conseguiu completar e voltou rebocado. Peixe Sol, Arpoador e Solaris cruzaram a chegada, respectivamente, em 3º, 2º e 1º lugares.

Na segunda prova, que teve início às 13:30, Cajaíba e Albatroz não conseguiram completar a prova. Reprisou-se nesta o pódio da primeira prova. A equipe Arpoador, que saiu por último como penalidade por ter queimado a largada, ainda conseguiu ótima recuperação. Por volta das 17 horas, o vento apertou e apenas o HL1 ainda navegava, com dificuldades. Acabou não completando a prova.

Portanto, irrefutavelmente, o pódio do 1º dia de competição foi ocupado por Solaris em 1º, Arpoador em 2º e Peixe Sol em 3º. Este último, Peixe Sol, merece o devido reconhecimento por sua primeira participação no DSB, competindo com equipes mais experientes e garantindo seu lugar no pódio, apesar de todas as dificuldades e contratempos, como o pouco tempo para montar o barco e a dificuldade em reunir verbas. Competem, inclusive, com motor Phantom emprestado pelo Polo Náutico UFRJ. os integrantes da equipe, Pedro Henrique Trouche (piloto), Nathália Paruolo, Leandro Lima e Lucas Bragança, quando perguntados sobre o que lhes permitiu o bom desempenho, reforçaram sua força de vontade e trabalho em quipe.

A equipe Arpoador, formada pelos integrantes da equipe Búzios-Tecnaval de 2009, competindo este ano com outro barco, apresentou desempenho impressionante ao assumir a 2ª posição, após ter largado por último. Segundo o piloto, Raphael Mainoth, seu diferencial em relação à competição de 2009, na qual sua equipe ou não conseguia completar a prova ou chegava entre os últimos, foi a troca do motor, desta vez um Torqeedo, e o gerenciamento de energia ao longo da prova. André ainda acrescenta que seu antigo barco Búzios Tecnaval (que compete também este ano, com a equipe do Tecnaval 2010) tem a vantagem de ser mais estável. Contudo, afirma: “o que eles têm de estabilidade, nós temos de motor”.

Campeã deste primeiro dia, a equipe Solaris reitera a importância de um bom motor, tendo em vista que, no ano passado, tiveram que conseguir um motor de última hora para competir, pois o motor Torqeedo seriam utilizados foram retidos pela Receita Federal e não chegaram a Paraty. O integrante da equipe Celso de Assis Lima, um dos responsáveis pela parte elétrica, credita o bom desempenho ao motor utilizado e a ajustes realizados no alinhamento do mesmo.

Apesar do bom tempo durante as provas, o vento que apertava e as nuvem carregadas que surgiram ao fim da tarde trazem maus presságios para o segundo dia de competição.

Nenhum pensamento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s